Penápolis, Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2021
Folheie o jornal
Colunas / Eu Mesma
Eu Mesma

18/12/2018
Tamanho da letra
A-
A+

O DIREITO A TER DIREITOS

Aquilo que desejamos receber do mundo precisa ser do mesmo tamanho do que oferecemos. Caso contrário, gera uma desigualdade, um desequilibrio que vai trazer prejuízos para o contexto social, o coletivo que todos nós compomos. Eu posso exigir direitos quando faço por onde garantir direitos, e não é válido desejar que direito só prevaleça se me favorece.

Que não se confunda diversidade e diferenças com desigualdade. Não somos iguais, somos diversos. É natural que seja assim e, por isso mesmo, o respeito à diversidade é fundamental. Em teoria, parece óbvio e fácil de praticar, mas não é. Todos nós, ao nosso modo, queremos mesmo é defender o interesse particular. O que é cômodo para mim vem antes do que é necessário para uma outra pessoa.

É nesse contexto de individualismos que encontramos resistências quanto à inclusão de pessoas com deficiência: nos ambientes onde predominam as pessoas que se dizem “competentes” ou se rotulam como “normais”. Não sei se é porque as pessoas estão tão voltadas para si mesmas que deixam de enxergar o que é uma necessidade ou dificuldade óbvia para outra pessoa.

Desta forma, as poucas conquistas que uma pessoa com deficiência tem assegurada por direito – medidas que asseguram aquilo que ela necessita – muitas vezes são vistas como privilégio. Não raramente, temos que lutar por algo que já está assegurado, como o direito ao atendimento preferencial.

O problema é que quase ninguém respeita a dificuldade apresentada por um autista, por exemplo, que se manifesta de forma invisível. Muitas vezes, um autista pode desencadear uma crise e isso pode acontecer não ali na fila, mas em um momento diferente, seja em casa ou outro lugar. E então ele vai demonstrar todo o seu descontrole em um comportamento que fere a ele e a quem assiste.

Dá para educar o autista para a espera? Sim, muitas vezes é possível. Mas na grande maioria dos casos este “treinamento” precisa acontecer em ambiente terapêutico. E outras vezes, ele nunca vai dar resultado. Por isso existe a lei, que oferece condições especiais para as pessoas com “necessidades especiais”.

Nós, com dispositivos internos para lidar com a espera e as filas, podem e devem ser solidários. Devem entender que igualdade de direitos pode significar desigualdade de medidas.

Precisamos de direitos iguais, e o mais difícil é entender que direitos iguais para pessoas com condições diferentes significa considerar suas dificuldades, suas particularidades. Em nome da igualdade de direitos é preciso tratar o diferente de forma diferente. Não uniformizar, mas igualar. Entender que o tratamento que se dá ao diferente não é o mesmo dado a todo mundo.

Somos humanos e isso significa que precisamos de tratamentos diferentes para que todos usufruam de condições iguais. É uma pena que eu precise me encher de coragem cada vez que tomo lugar na fila preferencial, pois na maioria das vezes, vou ter que ouvir os comentários diretos ou indiretos. Ou ainda validar na voz e nos expor, só porque alguém julgou ou não compreendeu.

Gostaria muito que as pessoas refletissem sobre isso e ajudassem a criar hábitos mais inclusivos, pois é isso que no final vai resultar em um coletivo mais fraterno e menos violento.

A paz que todos ansiamos pode começar com pequenas concessões do nosso comodismo. Quando nos informamos um pouco, compreendemos muito mais. E esse entendimento irá impactar – e muito – a vida de alguém que luta bravamente com impedimentos que pouca gente é capaz de imaginar.

 

Letícia Sader – tetraplégica, formada em direito e funcionária pública estadual





Compartilhe com seus amigos no Facebook

Atendimento:
18 3652-5511 / 3652-5679

Redação e Gráfica:
Av. Marginal Maria Chica, nº 1830 - CEP 16300-000 - Penápolis-SP

© 2021 Jornal Regional. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização do Jornal Regional.