Penápolis, Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2021
Folheie o jornal
Colunas / Eu Mesma
Eu Mesma

13/11/2018
Tamanho da letra
A-
A+

VIII TORNEIO DE RUGBY EM CADEIRA DE RODAS DE PENÁPOLIS “PRISCILA RIBEIRO MARTINEZ TORREZAN”

Hoje quero te fazer um convite, na verdade é um conselho para a vida: acontece esta semana, de 15 a 17 de novembro, no Ginásio Municipal de Esportes Antônio de Castilho Braga, o “Gigantão Azul”, a 8ª edição do Torneio de Rugby em Cadeira de Rodas de Penápolis “Priscila Ribeiro Martinez Torrezan”, evento realizado pelo Rotaract Club de Penápolis XV de Março, em pareceria com o Rotary Club de Penápolis XV de Março e com o apoio da Prefeitura Municipal de Penápolis, através da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Juventude.

O evento tem a finalidade de fomentar a inclusão social das pessoas com deficiência através do esporte, contribuindo para elevação de sua autoestima e melhor desempenho nos estudos, melhorando significativamente sua qualidade de vida, além de apresentar ao público a grande capacidade de superação das pessoas com deficiência, quebrando paradigmas e preconceitos antes estabelecidos.

Estarão em Penápolis quatro grandes equipes de Rugby Sobre Cadeira de Rodas de todo o país: Esquadrão da Morte (Brasília/DF), Ronins (São Paulo/SP), Minas (Belo Horizonte/MG) e Santer (Rio de Janeiro/RJ), dentre eles atletas que também defendem a Seleção Brasileira de Rugby.

A abertura do evento acontecerá na quinta-feira, dia 15/11, a partir das 08:30h, com a apresentação das equipes. A programação segue com partidas na quinta e sexta com jogos as 9h, 11h, 16h e 18h, e no sábado terá a disputa do terceiro lugar as 14h e a grande final as 16h, e logo na sequencia encerramento e premiações.

O Rugby em Cadeira de Rodas é um esporte praticado por tetraplégicos, com níveis diferentes de lesão, ou seja, atletas com deficiência em pelo menos 3 membros (ex: lesão medular, polio) ou 4 membros (ex: amputação).

Este esporte foi criado no Canadá no final da década de 1970, como opção desportiva para pessoas com alto grau de deficiência, que por conta disso não tinham oportunidade em jogos de basquete em cadeira de rodas. Entrou nos Estados Unidos em 1982 e rapidamente se difundiu pelo mundo.

É praticado na categoria mista, ou seja, podem jogar ao mesmo tempo jogadores do sexo masculino e feminino. Basicamente o esporte é praticado em quadras de tamanho oficial de basquete e bolas semelhantes as de volei, onde somente são usadas as linhas de limite e a central para dividir os campos. O objetivo do jogo é ultrapassar com a posse da bola entre cones dispostos na linha de fundo do adversário e assim marcar 1 ponto.

Para que os times estejam equilibrados é feita uma pré-analise da lesão de todos os jogadores e para cada tipo de lesão é dada uma pontuação diferente, variando de 0.5 (maior deficiência) a 3.5 pontos (menor deficiência). As equipes são formadas por quatro atletas e não devem ter a soma dos jogadores maior do que oito pontos.

Não perca este grande evento, uma oportunidade única de ver e prestigiar atletas da seleção brasileira de rugby e demais guerreiros. Tenho certeza de que você também vai se surpreender.

 

Letícia Sader – tetraplégica, formada em direito e funcionária pública estadual. 





Compartilhe com seus amigos no Facebook

Atendimento:
18 3652-5511 / 3652-5679

Redação e Gráfica:
Av. Marginal Maria Chica, nº 1830 - CEP 16300-000 - Penápolis-SP

© 2021 Jornal Regional. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização do Jornal Regional.