Penápolis, Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2021
Folheie o jornal
Colunas / Eu Mesma
Eu Mesma

11/12/2018
Tamanho da letra
A-
A+

OUVIR PARA INCLUIR

De extrema importância não apenas no Brasil mas em todos os países, a inclusão social não pode existir só no papel: é preciso efetivá-la nas ruas, avenidas, postos médicos, shoppings, unidades escolares e outros ambientes. O direito de ir e vir dos cidadãos está garantido pela lei e o acesso seguro a estes lugares é essencial.

Falando em educação, sei que os pais desejam o melhor a seus filhos e tenho a certeza de que oferecer uma estrutura eficiente nas unidades de ensino transfere aos alunos especiais sentimentos como satisfação, prazer e comprometimento com o que é ministrado em sala: melhor convívio (comunicação), evolução física e intelectual, entre muitos outros benefícios.

Apesar das deficiências, é possível sim alçar voos maiores no quesito “promover qualidade de vida”. Se houver investimento na inclusão social, futuramente os deficientes auditivos, físicos e visuais contarão com uma estrutura ainda maior. Este deve ser o espírito!

Você já observou a sua cidade como um todo? É possível notar, quando damos a devida atenção, espaços completamente inadaptados, nos quais cadeirantes não conseguem circular ou possuem enorme dificuldade para isso. Já se imaginou nessa situação?

Antes de pensar em melhorias, é necessário conversar com estes indivíduos. São eles que passam dificuldades no cotidiano quanto à acessibilidade e podem auxiliar nas mudanças. Com esta postura, é possível otimizar ações e reduzir gastos, afinal, podemos pensar, por exemplo, que elevadores aos cadeirantes são melhores - dependendo, claro, da quantidade de andares, mas estes podem preferir as rampas. Ou seja, a conversa é crucial.

Ouça o que o outro tem a dizer e viabilize, assim, ações inteligentes. Note as carências do ambiente que o ronda. Muitas vezes o diretor ou proprietário do espaço (seja ele hospital, galeria, restaurante) pode não ter pensado no assunto, mas quando ouve o seu ponto de vista, leva em consideração e o adapta, promovendo consequentemente a inclusão social.

Pessoas com deficiência merecem acompanhamento digno, pois com profissionalismo, amor e afeto todas as diferenças são superadas. Pense nisso. Todos podem colaborar, inclusive você.

 

Letícia Sader – 35 anos, é tetraplégica, formada em direito e funcionária pública estadual.





Compartilhe com seus amigos no Facebook

Atendimento:
18 3652-5511 / 3652-5679

Redação e Gráfica:
Av. Marginal Maria Chica, nº 1830 - CEP 16300-000 - Penápolis-SP

© 2021 Jornal Regional. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização do Jornal Regional.