Penápolis, Quinta-Feira, 18 de Abril de 2019
Folheie o jornal
Dicas de Segurança

27/10/2012
Tamanho da letra
A-
A+

Cuidados dentro da sua casa (ESCORPIÕES)

Diversos seres vivos coabitam conosco a nossa residência, entre eles, as comuns moscas e mosquitos além de besouros e borboletas. Entre os  inquilinos indesejáveis estão ainda as baratas e os ratos, que podem inclusive trazer alguns riscos a saúde, em especial os ratos (pode transmitir leptospirose), o mosquito transmissor da dengue, o Barbeiro (doença de chagas).
Várias campanhas são feitas pelos órgãos responsáveis sobre os cuidados necessários para a não proliferação destes animais e insetos, por isto, nesta data traremos algumas informações sobre prevenção e cuidados com alguns seres de menor incidência dentro de residências, mas extremamente perigosos, não por transmitirem doenças mas por serem dotados de poderosos venenos, que em caso de acidente pode levar inclusive ao óbito.
Entre os seres venenosos que podem abrigar-se dentro de uma residência destacamos as cobras, aranhas, escorpiões e lacraias.
Primeiramente falaremos sobre os escorpiões reproduzindo o texto retirado do Manual de Controle de Escorpiões editado pelo Ministério da Saúde em 2009,o qual nos traz que o  escorpionismo (acidentes com escorpiões) vem adquirindo magnitude crescente, correspondendo em 2007 a 30% das notificações, e superando em números absolutos os casos de ofidismo (cobras).

Prevenção contra proliferação na área externa do domicílio
• Manter limpos quintais e jardins, não acumular folhas secas e lixo domiciliar;
• Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados, e entregá-los para o serviço de coleta. Não jogar lixo em terrenos baldios;
• Limpar terrenos baldios situados a cerca de dois metros (aceiro) das redondezas dos imóveis;
• Eliminar fontes de alimento para os escorpiões: baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados;
• Evitar a formação de ambientes favoráveis ao abrigo de escorpiões, como obras de construção civil e terraplenagens que possam deixar entulho, superfícies sem revestimento, umidade etc;
• Remover periodicamente materiais de construção e lenha armazenados, evitando o acúmulo exagerado;
• Preservar os inimigos naturais dos escorpiões, especialmente aves de hábitos noturnos (corujas, joão-bobo, etc.), pequenos macacos, quati, lagartos, sapos e gansos (galinhas não são eficazes agentes controladores de escorpiões);
• Evitar queimadas em terrenos baldios, pois desalojam os escorpiões;
• Remover folhagens, arbustos e trepadeiras junto às paredes externas e muros;
• Manter fossas sépticas bem vedadas, para evitar a passagem de baratas e escorpiões;
• Rebocar paredes externas e muros para que não apresentem vãos ou frestas.
Prevenção contra proliferação na área interna
• Rebocar paredes para que não apresentem vãos ou frestas;
• Vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha;
• Reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas;
• Telar as aberturas dos ralos, pias ou tanques;
• Telar aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos calafetados;
• Manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados.
Como proceder em caso de acidente
As medidas devem ser adotadas de imediato e o tratamento instituído o mais rápido possível após o acidente.
• Limpar o local com água e sabão;
• Procurar orientação médica imediata e mais próxima do local da ocorrência do acidente (UBS, posto de saúde, hospital de referência).
• Se for possível, capturar o animal e levá-lo ao serviço de saúde pois a identificação do escorpião causador do acidente pode auxiliar o diagnóstico.
O que não fazer
• Não amarrar ou fazer torniquete;
• Não aplicar nenhum tipo de substâncias sobre o local da picada (fezes, álcool, querosene, fumo, ervas, urina) nem fazer curativos que fechem o local, pois podem favorecer a ocorrência de infecções;
• Não cortar, perfurar ou queimar o local da picada;
• Não dar bebidas alcoólicas ao acidentado, ou outros líquidos como álcool, gasolina, querosene, etc, pois não têm efeito contra o veneno e podem agravar o quadro.
Em adultos, a dor é o sintoma mais comum e seu alívio pode ser conseguido por meio de compressas mornas quando o quadro não é muito intenso. Compressas com gelo ou água gelada costumam acentuar a sensação dolorosa não sendo, portanto, indicadas.
O que fazer para evitar o acidente escorpiônico
• Examinar roupas (inclusive as de cama), calçados, toalhas de banho e de rosto, panos de chão e tapetes, antes do usar;
• Usar luvas de raspa de couro ou similar e calçados fechados durante o manuseio de materiais de construção, transporte de lenha, madeira e pedras em geral;
• Manter berços e camas afastados, no mínimo 10 cm, das paredes e evitar que mosquiteiros e roupas de cama esbarrem no chão;
• Tomar cuidado especial ao encostar-se a locais escuros e úmidos e com presença de baratas.
    
Fonte: Manual de Controle de escorpiões, 1º Ed, 2009, MINISTÉRIO DA SAÚDE, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica.

1º Tenente PM Fernando da Cunha Bachiega
Bacharel em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pela Academia de Polícia Militar do Barro Branco





Compartilhe com seus amigos no Facebook

Atendimento:
18 3652-5511 / 3652-5679

Redação e Gráfica:
Av. Marginal Maria Chica, nº 1830 - CEP 16300-000 - Penápolis-SP

© 2019 Jornal Regional. É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização do Jornal Regional.